Google+ Badge

domingo, 14 de julho de 2013

Comportamento machista…



Comportamento machista…

Parece que as viagens de comboio me inspiram…
pois quando escolho este meio de transporte,
tenho sempre uma “crónica” para contar.
Aliás, usar qualquer transporte público é um sair do meu “pequeno mundinho”
e partilhar um pequeno espaço com um número considerável de desconhecidos,
não sendo por isso de estranhar que se enriqueça a experiência.

Hoje o comboio vinha “à pinha”- as pessoas empurravam-se e arrumavam-se como
Conseguiam pelos corredores.
Era como viajar num dia de greve,quando o numero de comboios é reduzido e toda a gente quer entrar no primeiro que passa.
Havia um concerto de Verão em Algés, junto ao rio e por sinal actuava uma banda muito popular,daí a invasão anormal das carruagens, que vinham cheias de juventude.
Entre empurra daqui e dali, lá se moviam ligeiramente todos os que estavam de pé e havia lugar para mais um.
Todos… com excepção de uma “rocha” firmemente segura pelos dois braços, entre os bancos à frente e atrás de mim. 
Vinha “vidrado”, de olhos esbugalhados, nos meus “troncos gorduchos”, embrulhados em meias de seda. Pouco me restava fazer, pois cruzar ou descruzar as pernas não desmotivava o interesse da criatura.
Tenho a certeza que até Algés não viu mais nada e só acordou do “transe”, porque tive que lhe pedir licença para deixar sair a garota que tinha vindo sentada ao meu lado.
Desviou-se e agora eu de pé, era por inteiro objecto de admiração.
O concerto era ali, a carruagem fica praticamente vazia o silêncio cai de repente e a criatura com expressão admirada, percebe que algo mudou e pergunta-me:
“que aconteceu?”
Lá lhe expliquei o evento e ele embevecido descobre com satisfação que eu também falava.
Prosseguimos até Oeiras, onde ambos descemos, mantendo o senhor todo o caminho “aqueles olhos comilões”. Desceu à minha frente, mas pede desculpa ao abandonar o espaço, por ter que se retirar com pressa, pois não pode perder o autocarro. 
Pelo que não só não se apercebeu que me incomodou o percurso todo, como sentia que me tinha prestado um grande elogio.
Lembro involuntariamente a velha expressão que usou um amigo quando lhe perguntei porque desejam alguns “homens ter todas as mulheres” – pela mesma razão que alguns “cães correm atrás de todos os carros, sem nunca os conduzirem”.
Haverá pois um pouco de “instinto canino” em algumas criaturas.
Vejo constantemente homens a viajar de calções, contudo nunca me apercebi deste tipo de comportamento obsessivo por parte das mulheres.
Pelo que deduzo ser um comportamento mais cultural que instintivo.
Quando digo cultural refiro-me a machista, porque não tem a ver com o nível intelectual de quem o pratica – pois não é raro ver cavalheiros de aspectos diferentes, terem o mesmo “instinto canino” em relação a fêmeas que não as que os acompanham.

É deselegante meus senhores…nenhuma mulher gosta.
Quando o voltarem a fazer, não se esqueçam que a mulher observada,
tal como vocês …
”Sabe que correm e falam…”
mas isso não significa que algum dia saibam conduzir.

Benvinda Neves
13 Julho 2013