Google+ Badge

segunda-feira, 24 de março de 2014

A importância do toque…




A importância do toque

É quase impossível estar na mesma sala em que outras pessoas conversam e não se ouvir (ainda que sejam desconhecidos). Podemos depois prestar ou não atenção, dependendo do tema e dos intervenientes.
Outro dia escutei uma troca de impressões entre uma pessoa ligada às artes e outra da área da saúde e porque era interessante o que conversavam despertou o meu interesse.
Era culta e motivante a senhora que falava com paixão sobre cultura, filmes, pintura e escultura. Fiquei presa, tal como o seu interlocutor. Tudo o que dizia era confirmado por toda a postura física, palavras quase cantadas, gestos e sorrisos – uma pessoa realizada profissionalmente, não restavam dúvidas.
Foi precisamente isso que ele observou:
 “ a senhora nota-se que gosta daquilo que faz”.
“Oh sim, adoro e ao contrário da sua profissão a minha não é nada monótona e repetitiva”.
Fiquei a olhar para eles, pois tenho opinião contrária à dela – percebi pela expressão que ele ficou desiludido com a observação e contrapôs:
 “Também adoro o que faço, não trocava por nada e não acho nada monótono e repetitivo - pelo contrário é muito gratificante”. Enquanto argumentava olhava-me nos olhos (pois os meus devem ter falado) com um sorriso, como quem me convida a participar.
“Também discordo da senhora. Ainda a semana passada comentava que além de terapeutas físicos, eles são também terapeutas psicológicos. Ouvem e aconselham doentes com todo o tipo de problemas. Não acho nada uma profissão monótona, mas desafiante. Considero ainda que mentalmente são pessoas muito fortes, que precisam de grande preparação,  para não armazenarem toda a carga negativa transmitida pelas queixas constantes de quem vive momentos maus da vida e lamenta o sofrimento. Além de serem os únicos ouvintes de muita gente que aqui vem e vive só”- comentei.
“É exactamente como diz - é precisamente o que sinto. Sabe é que muitas pessoas não têm consciência da importância do contacto físico. Mas o facto de tocarmos nas pessoas leva a um relacionamento que desenvolve como que uma certa intimidade que as  faz desabafar e conversar sobre tudo o que as aflige. Precisamos sentir que somos aceites por aquela pessoa e que há cooperação, para que resulte. Já tem acontecido termos que trocar entre nós, por sentirmos que o doente não está à vontade”.
Vim para casa e dei comigo a pensar nestas importantes palavras – que fazem com que admire ainda mais uma pessoa que considero excelente profissional.

A importância do nosso toque. Raramente se tem consciência que o facto de tocarmos em alguém quebra barreiras e nos aproxima.
As nossas mãos têm o poder de dar conforto, sem que sejam necessárias palavras.
 Têm a magia de abrir caminho para o coração dos outros.
 É verdade que quando a pele é tocada por outra sentimos reacção – transmite-nos sentimentos.
Todos deveríamos ter uma mão na nossa, no momento da partida, para sentirmos que fomos amados até ao fim.
Quando tocamos em alguém transmitimos-lhe parte da nossa energia e manifestamos o nosso sentir – por isso nos arrepiamos e excitamos quando apaixonados ou nos encolhemos e repudiamos quando não é suposto tocarem-nos.

A maneira mais encantadora de tocar em alguém - é através de beijos e abraços.
Nunca  esqueceremos quem nos abraçou e beijou com doçura e desejo – é a forma mais linda de deixarmos parte de nós com os outros.

Benvinda Neves
Março 2014