Google+ Badge

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Convento de Cristo...


Classificado como Monumento Nacional desde 1910
e como Património Mundial desde 1983
O Convento de Cristo...
é uma das obras mais notáveis da arquitectura nacional.

É composto por um conjunto de edificações:
as muralhas do castelo, a charola templária,
a igreja manuelina os claustros e o convento / hospedaria.

A construção teve inicio no século XII 
e foi tendo sucessivas ampliações, 
com diferentes estilos, até ao século XVIII.

Foi mandado construir pelo Mestre Templário Gualdim Pais, 
fundador da cidade de Tomar.
Morada dos Templários e depois da Ordem de Cristo,
tendo o Infante D. Henrique 
contribuído para a sua reconstrução e ampliação
quando foi nomeado governador da Ordem de Cristo.

Mais tarde D. Manuel, rei de Portugal 
assume o cargo de governador e amplia ainda mais 
com estilo decorativo renovador / estilo manuelino.

Segue-se D. João III que pensou transformar Tomar
numa "capital espiritual" e amplia o convento,
transformando a Ordem em monjes de clausura.
D. Filipe I de Portugal (II de Espanha),
assume também o governo da Ordem e prolonga 
o convento e os claustros.
No Terreiro da Igreja tinham lugar 
as cortes de Tomar.

A invasão do convento pelas tropas francesas
e a extinção das ordens religiosas monásticas,
trouxeram mudanças profundas. 
Roubado o recheio e vendido em haste publica,
 veio a ser residência de um particular.

Em 1845 D Maria e D. Fernando instalam-se no convento,
tendo este mandado destruir o piso superior do claustro
e da ala sul da hospedaria, 
para ter melhor vista sobre a igreja quinhentista.

No final do século XIX foi entregue a militares,
 tendo o estado reassumido a plena posse do convento 
na ultima década do século XX.

Ao longo dos anos têm sido feitas muitas obras de recuperação,
com destaque para o restauro da charola templária,
que revelou um tesouro em pinturas maravilhosas. 

O  conjunto monumental deste monumento,
justifica as muitas imagens que partilho hoje.

A lamentar seriamente
o facto de não estar (pelo menos parte)
adaptado para pessoas com mobilidade reduzida.
Incomodou-me muito 
ver um jovem em cadeira de rodas 
que teve que ficar pela entrada.
Não há razão que o justifique - continuamos 
com as leis no papel, sem passar à acção.





































Benvinda Neves