Google+ Badge

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

mais um sol no horizonte...

mais um sol no horizonte...





Benvinda Neves


o encanto de mais um dia a nascer...

o encanto de mais um dia a nascer...





(nunca estamos sós...)

Benvinda Neves


Poema inacabado…



Poema inacabado…

Quando o segunda pessoa do verbo
É conjugada na negativa, não há sonho que se realize.

Eu sim…tu não…
Significa sempre nós não.

E assim o nosso poema ficou pelo início…
E deixou o sabor das cantigas inacabadas.

Benvinda Neves


terça-feira, 27 de agosto de 2013

A preparar o “adeus” a uma grande amiga…



A preparar o “adeus” de uma grande amiga…

Desgastamo-nos constantemente com assuntos pequenos, mesquinhices que fazem parte do nosso dia-a-dia, a que damos desnecessária importância.Arreliamo-nos vezes sem conta por coisas pequeninas, que não significam mesmo nada.

Na hora em que o nosso fim está próximo, os nossos olhos são doces e cheios de compaixão. Transmitem por nós a força com que queremos agarrar-nos à vida.
A nossa boca tem poucas palavras, mas escolhemos aquelas que queremos eternizar na mente dos que amamos.

As nossas mãos estendem-se para uma mão amiga, que lhe dê algum do conforto que não obtemos da medicina e nos faça sentir que não estamos sós nas horas mais terríveis da nossa vida.

Seguro uma mão esquelética, que se agarra à minha, com a força que já não tem o restante corpo que se contrai constantemente entre espasmos de dor.
Afago os seus dedos e pouso beijos suaves na sua testa, enquanto a sua boca tenta sorrir e os seus olhos se enchem de lágrimas e me olham com súplica e ternura.
É a minha grande amiga Teresinha que se despede dos últimos dias que a vida lhe reserva e não tem sido nada fácil o tempo presente.

Guardarei sempre o sorriso que interrompeu as dores e as lágrimas, para me dizer: “agradeço a Deus que não me levou sem me despedir de ti. Tive tanto medo de morrer enquanto estavas de férias. Estou feliz porque pude voltar a ver-te e porque podemos despedir-nos”.
Há palavras que nos cortam o coração, pela verdade que encerram, pelo amor com que nascem e pelo adeus definitivo que representam.
Têm sido dias de muita dor e incerteza constante.

Bem sei que a morte é uma certeza nas nossas vidas e que a doença deveria ser uma forma de nos sentirmos preparados para ela.
Mas nunca estaremos preparados para esse momento, nem para todo o sofrimento que acompanha um doente de cancro em fase terminal. 
Ninguém deveria ter que sofrer tanto para morrer.
 Tenho o coração constrangido perante tanta dor e agonia.

Infelizmente já presenciei estes momentos antes e é um sentimento de enorme impotência, uma angústia apertada e uma grande revolta que toma conta de nós, pois sabemos que a única coisa que podemos dar a um amigo que se despede, é a certeza de que o amaremos até ao fim e que não o deixaremos só no seu último percurso.

Todos os dias guardo uns momentos para estar de mãos dadas com a minha querida, com beijos de ternura e palavras de conforto, pois quero que parta com a certeza que a amarei enquanto tiver memória.

Um dia, que adivinho breve, as nossas mãos vão separar-se.
 Ficará para sempre a nossa grande amizade.

Benvinda Neves
Agosto 2013

A nossa vontade...

 A nossa vontade, às vezes, é apenas:
"que nos deixem estar - que não nos incomodem..."



(tem muitas vezes que nos apetece estar sozinhos...
 Incomodei este lindo gatinho)

Benvinda Neves

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

"Mar de Fogo"...

Hoje o céu foi invadido por um 
"Mar de Fogo"...



Espera…



Espera…

Triste este crepúsculo,
Onde não é noite, mas também já não é dia.

A serra escurece
E o verde que a cobre surge num negro de sombras disformes,
Transformado em pensamentos confusos.

Até o vento se esqueceu que esta é uma noite de Verão,
E sopra com violência,
Como se quisesse chegar a todos os recantos
E pudesse até esvaziar a alma.

Não sei porque espero que o silêncio da noite me traga tranquilidade,
Quando é o compasso do meu coração
Que me sobressalta a mente.

Aprendi a não esperar a luz das estrelas
Que hão-de surgir, como todas as noites, a piscar lá demasiado longe.

Mas espero-as sempre,
Porque o seu pulsar  trás-me mensagens de esperança.


Benvinda Neves

Agosto 2013

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Lagos um pequeno e lindo paraíso...

Lagos um pequeno e lindo paraíso ...
Algarve /Agosto 2013







Benvinda Neves






Sol a Fingir que é Lua

Sol a Fingir que é Lua
Hoje o dia esteve "embaciado" por partículas que se deslocaram do Norte de África.
O Sol quando desceu no horizonte parecia uma Lua brilhante
21 de Agosto 2013






Benvinda Neves





terça-feira, 20 de agosto de 2013

Dois amigos muito especiais…

(foto de 16 de Agosto 2013 - Lagos)


Dois amigos muito especiais…


Doí-me o corpo todo, estou agoniada, tenho o estômago enrolado, um aperto no peito e uma dor de cabeça horrível – resultado do meu sistema nervoso e do medo de perder um grande amigo.
A vida de vez em quando prega-nos partidas e põe-nos à prova, medindo as nossas forças e obrigando-nos também à tomada de consciência do que realmente é importante e do que marca a escala daquilo que são os valores pelos quais nos regemos.
Costumo viajar e partilhar férias com aqueles que são dois dos meus amigos mais chegados, o casal Isabel e Lito.
Estávamos ligados por laços de camaradagem, por partilharmos bons momentos de lazer, sobretudo porque temos em comum o prazer de viajar. Depois da descoberta de que temos gostos bastante semelhantes nas escolhas dos locais a visitar, começámos a fazê-lo em conjunto, podendo variar o grupo juntando outros amigos, sendo que nós somos os assíduos.
 Como diz com muito humor o amigo Lito, por vezes “cometemos erros de Casting”, pelo que somos quase sempre os mesmos cinco aventureiros.
Os nossos laços de camaradagem mudaram em 2005, na nossa viagem ao Egipto, quando em pleno deserto, sofremos o atribulado acidente provocado voluntariamente por um extremista-radical que lançou um autocarro desgovernado para cima do nosso.
A minha vida transformou-se muito, foram praticamente dois anos de cama, seguidos de muitos anos de aprendizagem, adaptação, muita insistência e vontade, para viver a nova realidade e aceitar todos os condicionantes que fazem parte do meu dia-a-dia.
É um orgulho às vezes ver e ouvir pessoas incrédulas que desmentem a minha incapacidade física acima dos sessenta por cento – significa que o meu empenho e esforço me têm conduzido onde pretendo.
Mas nenhum de nós é tão forte que consiga lutar contra todas as marés sozinho.
Tenho uma divida gigante de gratidão para com todos os meus amigos mais chegados, que me ergueram nas horas em que me deixei cair e que me abraçaram e beijaram todas as vezes que precisei (ou que precise) de chorar. 
São esses mesmos amigos que têm festejado comigo as vitórias.
Desse grupo restrito fazem parte a Isabel e o Lito, sendo que os nossos laços de amizade, ao longo dos anos se transformaram em Nós, que nos unem fortemente e nos fazem estar no coração uns dos outros, com um amor fraternal que jamais nos separará.
Há dois dias que o Lito foi internado, porque sofreu dois AVC- contínua em exames e observações. 
Não há palavras para descrevermos a impotência que sentimos quando sabemos que podemos perder alguém que amamos muito e temos consciência que tudo o que podemos fazer é pedir ajuda e esperar. É uma luta enorme contra o tempo que sabemos ser crucial no início de qualquer incidente que nos ocorra e um controlo muito grande para não disparatarmos nos nossos miseráveis serviços de saúde.
Infelizmente assiste-se a um retrocesso enorme nos serviços prestados aos utentes nos nossos hospitais públicos – e não estou com esta minha critica a culpabilizar os médicos ou os enfermeiros, pois reconheço que a culpa não é deles. Uma só médica para cerca de cinquenta doentes, num serviço de SO de urgência – devo dizer que é uma super-mulher.
Mas devo acrescentar ainda que somos governados por imbecis que não se dignam a visitar os serviços, para terem pelo menos noção de como funcionam - antes de porem em marcha leis que ceifam vidas.
Passámos grande parte da noite de domingo e ontem o dia inteiro no Hospital do Barlavento Algarvio e vimos a loucura que é aquele lugar – onde contámos uma média de chegada de 15 ambulâncias por hora. Ontem estava em cerca de 9h o tempo de espera dos utentes que saiam da triagem com pulseira amarela, que significa casos urgentes. Havia pessoas com fracturas expostas a esperar as mesmas 9h.
Assistimos a episódios degradantes que só podem ser descritos em países do terceiro mundo. 
É esta a nossa triste realidade.
Trouxemos o nosso querido amigo para um hospital particular em Lisboa, decisão acertada da Isabel, pois eu achei que deveríamos esperar pelo menos as 24h recomendadas, sobretudo porque ontem tínhamos temperaturas de 40 º – mas perante a loucura do lugar, foi sem dúvida a melhor decisão.
Na ambulância sentada ao lado dele, embora saiba que o incomodei um bocadinho, pois estava imenso calor, não consegui largar-lhe o braço todo o caminho, pois tinha que ter a certeza que sentiria nem que fosse o mais pequeno tremor.
 Não pude evitar uma lágrima e a lembrança da frase que me disse um dia quando no hospital, segurou o meu braço negro todo espicaçado:
“Quer queiras quer não, a partir deste momento as nossas vidas estão ligadas para sempre”.
Acredito com todo o meu coração que ele vai ficar bom. Foi só mais uma partida da vida para nos aproximar ainda mais e nos obrigar a tomar consciência que a amizade é o que nos segura de pé.
Com muito amor aos dois, hoje aqui relembro que os amigos são a família por nós escolhida.

Benvinda Neves

20 Agosto 2013

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Queria ser tão livre quanto os meus pensamentos…



Queria ser tão livre
Quanto os meus pensamentos…

Já partiram quase todos os pássaros,
Deixei de os ver dançar 
em bandos desnorteados, frente ao sol-poente.

O céu continua magnifico,
Mas agora são poucos os que o vêm cantar.

Pergunto-me
porque não posso partir como todos os pássaros,
E voar estonteada à procura de outras Primaveras?
Queria ser tão livre
quanto os meus pensamentos,
Cortar as raízes 
e poder correr como as nuvens em direcção a mais além.

Para que queremos palavras,
Quando o silêncio contém todas as respostas.

Não será a Vida
razão suficiente para querer morar em todos os lugares?
As papoilas nascem nas mãos da terra
E não se importam
se ela está pintada de verde, castanha ou amarela,
aparecem onde lhes apetece.
Seus corpos esguios, simples e frágeis
Enchem a paisagem de beleza e cor.

Mas não se colhe a bela e singela papoila,
Pois pode nascer
no campo na praia ou junto à rocha,
Mas só pertence ao lugar onde nasceu.

Talvez eu quisesse ter nascido papoila...
Dançar de vermelho ao sabor do vento
E olhar o mundo com olhos negros e meigos
De profunda paixão.

Talvez seja essa a razão
de não partir com os pássaros...


Benvinda Neves
Agosto 2013


Um belo final de dia com uma dança magnifica frente ao sol poente.

Um belo final de dia, 
com uma dança magnifica frente ao sol-poente.

(já restam poucas andorinhas - outro dia até pensei que eram menos,
mas hoje com o dia mais quentinho apareceram todas para bailar...)







Benvinda Neves

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Sensibilidade,Tempo, e Vontade...




Sensibilidade, Tempo e Vontade...

Posso chegar no vento, numa nuvem, no sol, na poeira,
Posso chegar de mil formas, vestida ou despida,
Pois sou natureza e nela me entranho,
Nela vivo e me desloco pelo mundo,
Morro e renasço com beleza, em qualquer lugar.

Não sei onde estou, porque todos os dias me perco,
Nem onde vou, pois meu coração é quem mo dirá,
Mas o meu pensamento traz-te,
Com a mesma sinceridade com que me trás os cheiros,
Os gostos e os sabores.

Sei que nunca me verás chegar…
Da mesma forma que nunca me viste partir,
Porque não há saudações entre nós.

Nunca saberás meu nome, nunca me saberás descrever,
Porque não sabes a que cheira o vento, qual a cor do mar,
O gosto de cada gota de chuva ou o sabor da erva dos prados.

Para reparar na Natureza precisamos de
Sensibilidade,Tempo e Vontade.

Quando somos Sensíveis,
Cresce-nos o tempo e nasce-nos a vontade.
Não precisamos de nos esforçar,
Pois o amor à natureza é natural,
Pela sua beleza e envolvência.

Posso chegar no vento, numa nuvem, no sol, na poeira,
Posso chegar de mil formas vestida ou despida,
Que nunca me verás chegar…

Porque há quem nunca repare na natureza,
Por isso nunca saberá aprecia-la,
Nunca aprenderá  a amá-la.

Benvinda Neves

Agosto 2013

terça-feira, 6 de agosto de 2013

mais uma magnifica despedida...

mais uma magnifica despedida...




Benvinda Neves




Como nascem as Estrelas…


Como nascem as Estrelas…

Esta noite vou baptizar estrelas e encher-me de sorrisos.
Uma estrela por cada momento lindo
Que ao lembrar me enche de ternura.

Uma estrela “abracinho”, por todos os abraços gostosos,
Que me fizeram sentir grande e única nos braços de alguém.

Uma estrela “beijinho”, por todos os beijos que me ruboresceram
E acenderam vida, deixando a galope o meu coração.

Uma estrela “festinha” pelo prazer que a pele sente
Quando tocada por mãos que nos arrepiam de emoção.

Uma estrela “paixão” por todas as vezes que o meu corpo se entregou
E foi aceite com desejo
E o céu se incendiou fazendo nascer todas estas estrelas.

Um brinda à noite
E à fantástica magia que trás o amor.


Benvinda Neves
Agosto 2013


segunda-feira, 5 de agosto de 2013

As nossas nuvens…



As nossas nuvens…


Às vezes tenho asas… grandes e brilhantes,
Obtidas dos meus sonhos
E são elas que me permitem voar
Acima de todos os lugares onde não quero estar.

Com as minhas poderosas asas encontro as mais altas montanhas,
Onde fico tão perto do céu, que consigo tocar as nuvens
E moldar-lhe os rostos, com bocas carnudas e sorridentes,
Que beijam e lambuzam o azul do céu, colorindo o mundo.

Toco as estrelas e acendo uma por cada desejo de felicidade,
Pinto sóis luminosos e quentes
Para que as roupas não sejam precisas,
E todos os corpos se sintam iguais e livres.

Espalho faixas de luz para que todos vejam os caminhos
E os percorram sentindo que os nossos pés tocam a terra,
Mas o nosso coração estará sempre ligado ao céu,
Na busca incansável de Sonhos sempre Novos e Grandes.

São estas asas que me renovam a esperança
E me puxam na direcção do sol, 
Quando os ventos me empurram
E me levam para céus que me entristecem.

São asas mágicas que visto nos meus sonhos,
Que me fazem tantas vezes planar acima do mundo…
Contemplar com prazer e tempo tudo o que amo
E me deixam um sorriso grande com a renovada vontade
De continuar a procurar ser feliz.

Para cada um de nós haverá sempre um par de asas,
Que nos transformam em seres sonhadores,
Capazes de acreditar que o mundo pode ser olhado com magia
E que as nossas nuvens,
Terão a Cor e as Formas que lhes Quisermos Dar.

Benvinda Neves
Agosto 2013

Um pouco de loucura num céu de Verão...

"Um pouco de loucura num céu de Verão".

No céu encontrarei sempre motivos para sonhar...
Ele contem todas as cores dos meus sentimentos,
Todas as formas da minha alma
E toda a insanidade dos meus pensamentos.

Diferente mas sempre Belo em cada dia...





Benvinda Neves
Agosto 2013